Gêneros
Administração
Artes
Astrologia
Biografia/ Memória
Chick Lit
Ciências
Ciências Políticas
Ciências Sociais
Cinema
Contos/ Crônicas
Culinária
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento profissional
Economia
Educação
Ensaio/ Teoria literária
Entretenimento
Esoterismo
Espiritualidade
Filosofia
Geografia
Guerra
Guia
História
Infantil
Jovem Adulto
Juvenil
Literatura
Negócios
Obras de referência
Pensamento
Poesia
Policial
Política
Psicologia/ Psicanálise
Quadrinhos
Qualidade de vida
Relacionamento
Religião
Reportagem
Romance brasileiro
Romance estrangeiro
Romance histórico
Suspense
Teatro
Thriller
Viagem/ Aventura
Coleções
Autores
Tenha acesso a
conteúdos exclusivos.

leitor
livreiro
professor

Email:
Senha:
Lembrar senha
Religião Home > Religião > Cristãos que se beijam e o crepúsculo dos deuses
Cristãos que se beijam e o crepúsculo dos deuses
Autor: João Paulo dos Reis Velloso
EAN: 9788520010624
Gênero: Religião
Páginas: 432
Formato: 14x21
Editora: Civilização Brasileira
Preço: R$ 77,90
   

Cristãos que se beijam e o Crepúsculo dos Deuses mostra como o Cristianismo se expandiu depois da chegada do Cristo (Messias). E que o beijo era uma das características mais comuns na Cristandade nascente. Analisa como a interação dessa doutrina, de raízes judaicas, com a cultura grega, a romana, os povos bárbaros e o Islã clássico levou à formação da Civilização Ocidental.

Desde quando a “Obscura Notícia” foi difundida, anunciando o Messias, o Império foi abalado. Assim, o Cristianismo se universalizou e conquistou a liberdade de culto, através de Constantino, o Grande. Ao mesmo tempo, afirmava-se a tendência ao Crepúsculo dos Deuses (gregos e romanos), que, na dimensão da cultura, induzia os líderes não cristãos a dizer que a nova religião havia levado os deuses a se desinteressarem pelo destino da Sociedade.

No entanto, a vantagem de uma crença cujo Reino não era deste mundo foi não ter como objetivo a garantia de um Estado ou Cultura, como tinham feito as religiões do paganismo. E estar, na verdade, na posição de reconciliar um com o outro. Para isso, os apóstolos, em especial Paulo, criaram igrejas e fizeram milagres.

Nesse contexto, há uma discussão sobre o início da tradição: os primeiros cristãos, homens e mulheres, tinham o hábito de se beijar na boca durante o culto.  O beijo era uma forma de expressar o amor entre os cristãos, e de comunhão no Espírito Santo, que ligava uma pessoa à outra e, em última análise, produzia um corpo social unificado.

A essência do livro, portanto, está na simultaneidade de um “Mundo que nasce” (o Cristianismo, universalizando-se) e um “Mundo que morre” (o Império Romano, que tendia, na altura de 380 d.C., a declinar).

João Paulo dos Reis Velloso
...


O despertar de homens comuns
Nélson Liano Jr.
R$ 32,90

Passes mágicos
Carlos Castaneda
R$ 59,90

A alegria de ser discípulo
Papa Francisco (organizado e compilado por James P. Campbell)
R$ 29,90


Novo livro de Fabricio Carpinejar entra para a lista de mais vendidos da Veja
04/06/2018
Saiba mais

Contos de Nei Lopes são tema de curso no Centro Afrocarioca de Cinema
Saiba mais

Banda The Rolling Stones completa 56 anos. Leia a biografia dos roqueiros, publicada pela Record
25/05/2018
Saiba mais

Livro vencedor do Pulitzer 2018 será lançado no Brasil pela Record
15/05/2018
Saiba mais