Gêneros
Administração
Artes
Astrologia
Biografia/ Memória
Chick Lit
Ciências
Ciências Políticas
Ciências Sociais
Cinema
Contos/ Crônicas
Culinária
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento profissional
Economia
Educação
Ensaio/ Teoria literária
Entretenimento
Esoterismo
Espiritualidade
Filosofia
Geografia
Guerra
Guia
História
Infantil
Jovem Adulto
Juvenil
Literatura
Negócios
Obras de referência
Pensamento
Poesia
Policial
Política
Psicologia/ Psicanálise
Quadrinhos
Qualidade de vida
Relacionamento
Religião
Reportagem
Romance brasileiro
Romance estrangeiro
Romance histórico
Suspense
Teatro
Thriller
Viagem/ Aventura
Coleções
Autores
Tenha acesso a
conteúdos exclusivos.

leitor
livreiro
professor

Email:
Senha:
Lembrar senha
Biografia/ Memória Home > Biografia/ Memória > A dona das chaves: Uma mulher no comando das prisões do Rio de Janeiro
A dona das chaves: Uma mulher no comando das prisões do Rio de Janeiro
Autor: Julita Lemgruber e Anabela Paiva
EAN: 9788501082237
Gênero: Biografia/ Memória
Páginas: 266
Formato: 16 x 23 cm
Editora: Record
Preço: R$ 49,90
     

Em A dona das chaves, escrito em parceria com a jornalista Anabela Paiva, Julita Lemgruber abre as portas do mundo das cadeias e nos leva às celas, gabinetes e corredores de um sistema prisional marcado por violência, corrupção e atos surpreendentes de coragem e generosidade.

Autora de livros que são referência no tema da segurança pública, Julita passou da teoria à prática durante o governo Brizola, no Rio de Janeiro. Foi a primeira mulher a ocupar o cargo de diretora-geral do Desipe, uma rede de 25 unidades com cerca de 9.200 presos e 2.300 agentes.

Relatos marcantes como os esquemas mirabolantes de fugas, greves de fome e ameaças de morte recheiam as páginas do livro. Temas áridos ganharam suavidade nas mãos de Julita, que bolou títulos baseados no linguajar das prisões, como os inusitados “Branca de Neve na penitenciária” e “Fugas Doril: ninguém sabe, ninguém viu”.

Os bastidores de diversos episódios que figuraram nas manchetes dos jornais cariocas são revelados. Entre os mais emblemáticos está a explosão de violência no presídio Ary Franco, em 1991, quando 32 presos morreram calcinados devido a um incêndio na cela em que estavam trancados.  Com a instalação de uma sindicância, apurou-se a responsabilidade de dois guardas, que foram demitidos, mas absolvidos no inquérito policial, em 2003.

Outro acontecimento que mereceu destaque foi o plano do bicheiro Maninho, na época preso, de assaltar a casa de Julita e matá-la. O motivo foi a gestão “linha-dura” da então diretora do Desipe. Ela se empenhou em evitar que os bicheiros tivessem todos os direitos dos outros presos, sem usarem de seus variados recursos para a obtenção de privilégios. A autora conta detalhes desta ação contra a regalia dos presos.

A narrativa envolvente tecida por Julita e Anabela fornece informações do sistema carcerário, expõe a situação precária dos presos, a violência e as dificuldades para a resolução dos problemas. A dona das chaves revela um mundo desconhecido do grande público e a importante missão da ex-diretora do Desipe, marcada por vitórias e derrotas, surpresas e decepções.

Julita Lemgruber e Anabela Paiva

A socióloga Julita Lemgruber e a jornalista Anabela ...



Confesso que vivi
Pablo Neruda
R$ 59,90

O diário de Anne Frank (Edição de bolso)
Anne Frank
R$ 29,90

Querido Mundo: A história de guerra de uma menina síria e sua busca pela paz
Bana Alabed
R$ 34,90


Na Universidade Católica de Brasília, Julita Lemgruber autografa A dona das chaves e participa de palestra
Taguatinga/DF
14/05/2011
Saiba mais